sábado, 15 de fevereiro de 2014

Estamos à mercê dos bandidos e a cada dia as quadrilhas se fortalecem mais

Dorjival Silva

A violência vem se expandindo de tal forma que está fugindo totalmente do controle do Estado. E o pior! Nossas autoridades estão vendo, mas pouca coisa está fazendo para coibir seu crescimento.

Isso porque está evidente que todo tipo de assunto é debatido no Congresso, mas não enxergamos de forma contundente uma comissão ou um grupo que se interesse em levar para o debate as modificações de nossas leis que são muito brandas e cheias de "brechas" ou ao menos de apresentar projetos que tenham a eficácia de solucionar em longo prazo ou até mesmo de amenizar esse mal que tanto massacra a população brasileira.

O momento é difícil. Tem violência em toda parte e a vida perdeu o valor. A sociedade está amedrontada. As pessoas de bem estão perdendo a esperança e a paciência para com nossas autoridades por isso algumas já começam a fazer justiça com as próprias mãos, fruto da ausência de um estado de direito que não valoriza quem age corretamente beneficiando aqueles que vivem no submundo do crime Para se ter uma ideia como a situação está complicada, até fazer uma crítica está difícil.

Vejamos o caso da jornalista Raquel Sheherazade, , do SBT,  que criticou o sistema e aprovou ação da população que pegou um bandido e o amarrou depois de ele cometer um delito. Agora, por isso, querem processar a jornalista que apenas repassou um sentimento que é da sociedade que não aquenta mais tanta impunidade.


 Vivemos uma realidade que poucos querem aceitar estamos à mercê dos bandidos e a cada dia as quadrilhas se fortalecem mais tendo em vista a ausência de um aparato de segurança que está perdendo espaço pela falta de incentivos de nossos governos. E agora vamos continuar aguardando acontecer uma "guerra" " entre os homens de bem desse país e a bandidagem, voltando aos tempos de justiceiros coronelismo e de jagunços? Fica a pergunta. Essa é a realidade, infelizmente. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário