segunda-feira, 31 de março de 2014

Comissão vai propor criminalização da homofobia

cura gay






A Comissão Nacional da Verdade (CNV) poderá incluir no relatório sobre as violações dos direitos humanos, no período da ditadura militar (1964-1985) a ser concluído, no início do segundo semestre, a proposta de criar penalidades contra atos homofóbicos. A informação foi dada pelo cientista político Paulo Sérgio Pinheiro, um dos membros da CNV, presente na audiência pública Ditadura e homossexualidade no Brasil ocorrida no sábado (29), no Memorial da Resistência.
“Vinte e cinco anos depois da Constituição de 1988 não existe uma legislação que puna o delito de discriminação por homofobia”, disse Pinheiro. Ele acrescentou que no período em que foi baixado o Ato Institucional nº 5 (AI-5), em 13 dezembro de 1968, houve um freio ao movimento contra a discriminação por orientação sexual.

Gil declara voto em Eduardo Campos em apoio a Marina

gilberto gil
O cantor Gilberto Gil declarou seu voto para presidente ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). O voto foi conquistado por conta do acordo entre Campos e a ex-senadora Marina Silva, líder da Rede, que deve ser anunciada oficialmente no dia 14 de abril como candidata a vice na chapa de Campos.
“Se eles mantiverem a parceria, como tudo indica que manterão, votarei nos dois”, disse Gil para a Folha de S. Paulo. “Gil, o ex-ministro, continua a fazer política quase informalmente. E anda com fé atrás da ex-senadora Marina Silva onde quer ela vá”, completou confirmando seu apoio incondicional a ex-senadora.

62% dos brasileiros dizem ter pouca ou nenhuma confiança nas pessoas

O brasileiro só confia muito na própria família. É o que mostra a pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira: Confiança Interpessoal, do IBOPE Inteligência para a Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com o levantamento, 73% dos brasileiros têm muita confiança na família.
Quando indagados sobre as outras pessoas com quem convivem, a desconfiança aumenta: só 18% dizem confiar muito nos amigos, 11% nos vizinhos e 9% nos colegas de trabalho ou da escola. Apenas 6% têm muita confiança nas outras pessoas. Outros 31% dizem ter alguma confiança nas outras pessoas em geral. E 62%dizem ter pouca ou nenhuma.
A justificativa para a baixa confiança está na impressão de que as pessoas agem de maneira errada. Para 82% dos entrevistados, a maioria das pessoas só quer tirar vantagem. A sensação é maior na região Nordeste, onde89% da população têm essa percepção, e menor nas regiões Norte e Centro-Oeste, onde o percentual cai para71%.
pesquisa ibope

Nove mil remédios vão ficar mais caros a partir de hoje (31)

Nove mil remédios vão ficar mais caros a partir de amanhã
A Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) publicou  no Diário Oficial da União (DOU) resolução que estabelece em até 5,68% o índice de reajuste que poderá ser aplicado aos preços de medicamentos regulados pelo governo a partir de 31 de março.
O documento determina três faixas de reajustes de preços. Medicamentos classificados no nível 1 terão o valor teto do aumento, 5,68%. Os medicamentos de faixa intermediária, de nível 2, terão aumento de 3,35%. O menor índice autorizado será de 1,02%, para medicamentos de nível 3. Com isso, a média ponderada das três faixas de medicamentos será de 3,35%. Os porcentuais haviam sido antecipados pelo jornal O Estado de S. Paulo no último dia 12.
O aumento é menor do que o do ano passado. Em 2013, o reajuste autorizado variou entre 6,31% e 2,7%, com uma média ponderada de 4,59%. Os novos preços terão de ser mantidos até março de 2015.
As regras para reajuste valem para quase 24 mil itens. Medicamentos de alta concorrência no mercado, fitoterápicos e homeopáticos não estão sujeitos aos valores determinados pela CMED, sendo que seus preços podem variar de acordo com a determinação do fabricante

Petrobras: a briga agora é com o TCU

A apuração de casos envolvendo a Petrobras gerou uma disputa entre a estatal e o Tribunal de Contas da União, responsável pela análise. Marinus Marsico, procurador do TCU, aponta que a Petrobras não informou sobre diversos atos envolvendo a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, após o pedido de envio dos documentos sobre o caso, em 2012.
O TCU também questionou a obstrução pela empresa da investigação sobre a construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. De acordo com a Petrobras, há um processo de contínua melhoria da relação com órgãos de controle.

Governo prorroga renegociação de dívidas de produtores rurais

A proposta de renegociação de dívidas de produtores rurais, com recursos dos Fundos Constitucionais, foi aprovada no último dia 27 pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Requerida pelo Ministério da Integração Nacional, a medida estabelece condições para que os produtores renegociem as operações de créditos contratadas até 31 de dezembro de 2008, que se encontravam em situação de inadimplência em 30 de dezembro de 2012. O prazo para acordo vai até o dia 31 de dezembro de 2014.
A autorização é válida para créditos obtidos com recursos do Fundo Constitucional do Norte (FNO), do Nordeste (FNE) e do Centro-Oeste (FCO). Segundo o secretário de Fundos Regionais e Incentivos Fiscais, Wanderley Uchoa, a renegociação é direcionada para financiamentos da área rural e urbana.

Começa a tramitar no Senado novo projeto com regras para criação de municípios

Começou a tramitar no Senado novo projeto que estabelece regras para a criação de municípios. A apresentação da proposta (PLS 104/2014) faz parte de acordo para resolver o impasse em relação a outro projeto de Mozarildo (PLS 98/2002), aprovado no Congresso, mas vetado pela presidente Dilma Rousseff. A proposta institui regras para a criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento de municípios, regulamentando a previsão constitucional sobre o assunto. Uma das demandas do governo é de que as regiões Sul e Sudeste sigam critérios mais rígidos do que as regiões Norte, Centro-Oeste e Nordeste.

PT se ajoelha diante PMDB nos estados de olho na CPI da Petrobras

Publicado no Estadão:


A iminência da abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar irregularidades na Petrobrás levou o Palácio do Planalto e o comando da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff a começar um processo de reaproximação com o PMDB, após semanas de uma intensa disputa política com o principal aliado. O objetivo é consolidar apoios no Congresso Nacional que ajudem a blindar Dilma durante a investigação. Em troca, o PT cede espaços na elaboração dos palanques regionais.

O primeiro caso a ser revisto foi justamente onde as negociações estavam mais complicadas: Ceará. No Estado, a crise na Petrobrás pôs fim à disputa de meses entre os irmãos Cid e Ciro Gomes e o senador Eunício Oliveira (PMDB), que reivindicava o direito de disputar o governo. Eunício, que chegou a ser convidado para assumir o Ministério da Integração Nacional para abrir caminho para os irmãos Gomes, rejeitou a oferta feita por Dilma e afirmou que só aceitaria a candidatura ao governo. Passou, desde então, a frequentar todas as reuniões de grupos dissidentes. Mas os problemas na estatal aceleraram a solução. Com o aval da presidente, ele será o candidato da base.

A crise na Petrobras também deverá empurrar o PT do Maranhão para uma aliança com o senador José Sarney (PMDB-AP) e com a governadora Roseana Sarney (PMDB). Na Paraíba, a ordem é levar o PT para o PMDB do senador Vital do Rêgo. Dilma decidiu que o PT deverá apoiar o candidato Veneziano do Rêgo, irmão dele, ao governo. A CPI da Petrobrás deverá mudar também o quadro político em Goiás. O PT havia decidido que só se aliaria ao PMDB se o candidato fosse o ex-governador Iris Rezende. Mas o partido passa por uma disputa interna, com favoritismo de José Batista Júnior, o Júnior da Friboi. Há, nesse instante, uma pressão interna do PT para que o partido desista de lançar a candidatura do prefeito de Anápolis, Antonio Gomide, e apoie o nome do PMDB, mesmo que seja Júnior da Friboi.

Com essa estratégia das concessões nos Estados, o governo pretende reduzir os danos políticos que a CPI deverá causar. O mais certo deles é que Dilma vai atravessar sua campanha presidencial precisando administrar as denúncias contra a Petrobras e as revelações que as investigações forem produzindo


Uma resposta para PT se ajoelha diante PMDB nos estados de olho na CPI da Petrobras

sábado, 29 de março de 2014

Proibição de doações de empresas privadas para campanhas políticas

DOAÇÕES PROIBIDAS
O Supremo Tribunal Federal (STF) deve retomar, na próxima quarta-feira, 2, o julgamento sobre a proibição de doações de empresas privadas para campanhas políticas. O julgamento foi interrompido em dezembro do ano passado e será retomado com o voto do ministro Teori Zavascki, que pediu vista do processo.

Partidos recebem mais de R$ 26 milhões do Fundo Partidário em março

Os 32 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) receberam um total de R$ 26.124.568,50 de verbas do Fundo Partidário referentes ao mês de março. Do total, o Partido dos Trabalhadores (PT) recebeu R$ 4.200.454,23. O segundo maior montante foi do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), com o valor R$ 3.133.951,46, seguido pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que recebeu R$ 2.856.019,72.
Os valores arrecadados com o pagamento de multas eleitorais são também revertidos aos partidos. Em fevereiro de 2014, o valor obtido soma R$ 5.285.295,81. O PT recebeu R$ 849.799,42, seguido pelo PMDB, com R$ 634.033,84, e pelo PSDB, que recebeu R$ 577.805,10.
A divulgação dos valores foi feita, nesta sexta-feira (28), no  Diário de Justiça Eletrônico (DJe). O relatório de ordens bancárias foi encaminhado ao Banco do Brasil no último dia 24.
* Fonte: TSE

sexta-feira, 28 de março de 2014

Produtores têm sinal verde para renegociar dívidas rurais

O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou ontem as condições para renegociação de dívidas rurais contratadas até 31 de dezembro de 2008. Serão disponibilizados R$ 11,5 bilhões para distribuir entre três fundos. O Fundo do Nordeste (FNE) está autorizado a fazer 509 operações de renegociação e, para isso, vai liberar R$ 7,8 bilhões.
O Fundo da Região Norte (FNO) terá R$ 3 bilhões para refinanciar 130 mil operações. Já o Fundo do Centro-Oeste (FCO) terá R$ 700 milhões para 31 mil operações de refinanciamento. O reembolso poderá ser feito em 10 anos, sendo um ano de carência. A renegociação ficará aberta até 31 de dezembro.

Motoqueiros contrários ao uso do capacete expulsam juiz e promotor da cidade


Um juiz e um promotor de justiça foram expulsos ontem do município maranhense de Arame (situado a 476 quilômetros de São Luiz) depois de uma manifestação que reuniu, na porta do fórum, cerca de 50 motoqueiros que protestavam contra a imposição do uso de capacete – iniciativa liderada pelas duas autoridades para “tentar tirar de circulação a fama de terra sem lei”.
Os motoqueiros foram contrários à decisão da justiça.

Prefeito é condenado a pagar multa por tentar barrar investigação

O juiz do Tribunal Regional Eleitoral, Pedro Francisco da Silva, condenou o atual prefeito de Sinop, Juarez Alves da Costa (PMDB), ao pagamento de uma multa de R$ 10 mil por tentar barrar uma investigação por supostas fraudes que teriam sido cometidas na campanha de 2008. O prefeito cometeu, de acordo com o magistrado, um ato "flagrante de litigância de má-fé".

TJ concede habeas corpus e João Emanuel deixa prisão

O vereador João Emanuel (PSD), acusado de liderar uma suposta organização criminosa, foi libertado nesta sexta-feira (28), após dois dias preso. O alvará de soltura foi concedido pelo desembargador Gilberto Giraldelli.

Aécio Neves confirma vinda a Mato Grosso


O PSDB de Mato Grosso confirmou nesta sexta-feira (28) a vinda do senador e pré-candidato Presidência da República, Aécio Neves, a Mato Grosso no dia 14 de abril próximo. 

O senador participa da feira de agronegócios Parecis SuperAgro, que acontecerá entre os dias 13 e 16 de abril, em Campo Novo do Parecis (a 380 km de Cuiabá).

28 de março celebra o aniversário do blogueiro Dorjival Silva


Bom dia meus amigos e amigos.

Quando cheguei aos 30 anos de idade agradeci a Deus e lhe pedi mais 10 anos de vida. E Ele me deu. Quando cheguei aos 40, novamente agradeci e lhe pedi mais 10, dos quais Ele já me deu 9. Falta um para fechar a conta. Como já vi que Ele sempre me atende, nem vou esperar completar os 50 anos para fazer novo pedido. Sem querer abusar de Sua grandiosa bondade, hoje quero pedir ao REI dos reis, não mais que acrescentes dias à minha vida, mas, que me faças no restante dos meus dias um ser humano cada vez mais humano, humilde, generoso, confiável, dado a servir cada vez mais ao próximo naquilo que melhor tenho aprendido a fazer. Assim sendo, não esperarei mais por 10 anos para fazer novo agradecimento ao REI. Agradecerei por cada vez que tiver a oportunidade de ouvir do meu próximo que lhe fui útil de alguma forma. 

E meu primeiro agradecimento a Deus é por todos vocês terem tanta paciência de me acompanhar direta ou indiretamente no meu dia a dia como pessoa, pai, esposo, amigo e profissional que cumpre fielmente seu papel de informar à sociedade o que se passa à sua volta.

Abraço a todos. Beijos.

Dorjival Silva.

quarta-feira, 26 de março de 2014

A Petrobras virou uma usina de más notícias e negócios que deveriam dar cadeia


A Petrobras virou uma usina de más notícias e negócios que deveriam dar cadeia
O valor de mercado da Petrobras caiu pela metade entre 2010 e 2014. Em 2013, cresceu em 50% a dívida da empresa que, em cinco anos, despencou do 12° para o 120° lugar no ranking das maiores do mundo. A autossuficiência proclamada por Lula em 2006 morreu afogada no oceano de barris importados mensalmente. As jazidas milagrosas do pré-sal continuam onde sempre estiveram desde o Dia da Criação. Só o palanque ambulante conseguiu enxergar no fundo do mar a “dádiva de Deus” que transformaria o Brasil Maravilha em sócio perpétuo da OPEP.
Aberto na semana passada por uma reportagem do Estadão, o baú de notícias espantosas não para de assombrar milhões de brasileiros que não sabiam de nada. Na quarta-feira, 19 de março, Dilma Rousseff confessou que em 2006, quando presidia o Conselho Administrativo da Petrobras, aprovou sem ter lido o contrato da compra, por 360 milhões de dólares, de metade da refinaria que meses antes custara 42,5 milhões a uma empresa belga.
Na quinta, a culpa pelo negócio que acabou engolindo US$ 1,18 bilhão foi transferida para Nestor Cerveró, diretor da Área Internacional da Petrobras até 2011 e, desde então, diretor financeiro da BR Distribuidora. Na sexta-feira, soube-se que Paulo Roberto Costa, preso pela Polícia Federal por lavagem de dinheiro, ajudara a arquitetar o melhor negócio da história da Bélgica instalado no gabinete de diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras.
Os jornais de sábado informaram que a punição chegara oito anos depois de cometido o pecado: Cerveró, de férias na Europa, fora demitido pelo Conselho de Administração da BR Distribuidora. No domingo, o negociante desempregado avisou que ficaria em silêncio num tom de quem estava pronto para abrir o bico. Na segunda, enquanto prosseguiam os trabalhos de parto da CPI da Petrobras, o noticiário político-financeiro-policial teve de abrir espaço para a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.
No editorial desta terça-feira, o Estadão comenta o que anda acontecendo nas catacumbas da obra planejada pela dupla Lula-Chávez. Quando foi concebida, custaria US$ 2 bilhões. Já chegou a US$ 18 bilhões sem sequer ter nascido. “A parceria com a PDVSA, em termos desvantajosos para o país, é o fruto podre das afinidades ideológicas de Lula com o ‘socialismo do século 21′ do autocrata Hugo Chávez, de um lado, e, de outro, da néscia intenção de mostrar altivez perante os Estados Unidos”, lembra o texto.
No meio desse tsunami que mesmo milhares de parágrafos não conseguiriam descrever em sua assustadora inteireza, encalhou na praia a garrafa com a mensagem do PT. “Mais uma vez, estamos presenciando a oposição e os setores conservadores da nossa sociedade fazer ataques para atingir a imagem da Petrobras”, delira um trecho da nota redigida pelos Altos Companheiros. Os bandidos do faroeste estão preocupados com a reputação do banco que acabaram de saquear. Haja cinismo.
*Augusto Nunes

Viva o Brasil!


Preços de hotéis para a Copa continuam a preocupar a Senacon

Os preços das diárias de hotéis nas cidades-sede da Copa do Mundo no Brasil continua a preocupar os órgãos de defesa do consumidor. Segundo a secretária Nacional do Consumidor (Senacon), Juliana Pereira da Silva, o setor hoteleiro está perdendo a oportunidade de dar transparência a essa questão dos preços.
“Não há controle de preço, mas havendo abusividade, as empresas poderão ser punidas. Sem transparência, os órgão de fiscalização irão atuar”, diz Juliana, explicando que a Senacon está consolidando um diagnóstico feito em redes de hotéis que atuam em mais de um estado.

Conta do bar ficará mais cara com elevação da tributação sobre cerveja

imagesConforme o blogue antecipou o governo estuda aumentar ainda mais os impostos sobre vários setores da economia brasileira. O objetivo é engordar a receita para permitir que o Tesouro Nacional tenha condições de repassar os R$ 4 bilhões anunciados pelo Ministério da Fazenda para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Dessa forma, alguns produtos — importados, bebidas frias (cervejas, refrigerantes, isotônicos e água) e cosméticos — devem chegar mais caros aos consumidores.

MPF denuncia jornalista por racismo e injúria contra Joaquim Barbosa

noblat
jornalista Ricardo Noblat
O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro aceitou a representação criminal do ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa contra o jornalista Ricardo Noblat. A representação acusa o jornalista de racismo, difamação e injúria no texto “Joaquim Barbosa: Fora do Eixo”, publicado no site do jornal O Globo. As penas previstas pelos crimes incluídos na denúncia podem somar até 10 anos de prisão.
O MPF considerou o conteúdo do texto “manifestamente racista e ofensivo à honra funcional do ministro”. Em outra decisão, a procuradora da República Lilian Guilhon Dore também determinou que a Infoglobo, empresa que publica o jornal O Globo, retire do ar a postagem em 24 horas, contadas do momento da notificação.
Na denúncia, a procuradora aponta as razões dos crimes de difamação, injúria e racismo. E cita o seguinte trecho do texto de Noblat: “Para entender melhor Joaquim, acrescenta-se a cor – sua cor. Há negros que padecem do complexo de inferioridade. Outros assumem uma postura radicalmente oposta para enfrentar a discriminação”.

Governo vai pedir agilidade para marco civil da internet no Senado

web-internetO ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou nesta quarta-feira (26) que o governo vai pedir agilidade ao Senado na análise e votação da proposta do marco civil da internet (PL 2126/11, do Executivo), aprovada ontem pela Câmara dos Deputados. Ele participou de audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara.
“Os senadores devem ter o tempo necessário para examinar um projeto dessa importância. Entretanto, como foi muito discutido na Câmara, e diversos senadores acompanharam esse debate, ele tem a possibilidade de tramitar mais rapidamente no Senado”, declarou. Na visão do ministro, em princípio, 45 dias serão suficientes para os senadores analisarem a matéria. Após esse prazo, a proposta, que tramita em regime de urgência constitucional, passará a trancar a pauta do Senado.

CCJ aprova cotas para negros em concursos públicos

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou hoje proposta que reserva aos negros, por um período de 10 anos, 20% do total de vagas oferecidas em concursos públicos da administração pública federal e das autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista controladas pela União. A medida está prevista no Projeto de Lei 6738/13, do Poder Executivo.

Marco Civil da Internet é aprovado na Câmara dos Deputados

Da Agência Brasil

Após cinco meses de polêmica e intensos debates, a Câmara aprovou nesta terça-feira (25) o projeto do Marco Civil da Internet (PL 2.126/11). Os deputados aprovaram o texto em votação simbólica. Desde 28 de outubro de 2013, o projeto passou a trancar a pauta da Câmara.

O projeto define os direitos e deveres de usuários e provedores de serviços de conexão e aplicativos na internet. A aprovação abre caminho para que os internautas brasileiros possam ter garantido o direito à privacidade e à não discriminação do tráfego de conteúdos. O texto agora segue para o Senado e, caso seja aprovado lá também, deverá ir para sanção presidencial.

“Hoje em dia precisamos de lei para proteger a essência da internet que está ameaçada por praticadas de mercado e, até mesmo, de governo. Assim, precisamos garantir regras para que a liberdade na rede seja garantida”, disse o relator do projeto deputado Alessandro Molon (PT-RJ).

Antes da votação, um grupo de manifestantes entregou ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), uma petição com mais de 340 mil assinaturas a favor do Marco Civil da Internet. Na ocasião, Alves disse que o projeto já estava “amadurecido” para ir à votação.

Entre os principais pontos da proposta estão: a garantia do direito à privacidade dos usuários, especialmente à inviolabilidade e ao sigilo de suas comunicações pela internet. Atualmente, as informações são usadas livremente por empresas que vendem esses dados para os setores de marketing ou vendas.

Agora, os provedores não poderão fornecer a terceiros as informações dos usuários, a não ser que haja consentimento do internauta; os registros constantes de sites de buscas, os e-mails, entre outros dados, só poderão ser armazenados por seis meses. O projeto também define os casos em que a Justiça pode requisitar registros de acesso à rede e a comunicações de usuários.

De acordo com o texto, as empresas não vão poder limitar o acesso a certos conteúdos ou cobrar preços diferenciados para cada tipo de serviço prestado.

Antes da votação, o governo recuou e aceitou alterar alguns pontos considerados polêmicos por parlamentares da oposição e da base aliada. O principal deles é o princípio da neutralidade de rede que assegura a não discriminação do tráfego de conteúdos. Após negociação os deputados acordaram que a regulamentação deste trecho da lei caberá a um decreto da Presidência da República, depois de consulta à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI)

Também caiu a obrigatoriedade das empresas provedoras de conexão e aplicações de internet manterem em território nacional estrutura de armazenamento de dados, os chamados data centers.

A obrigatoriedade havia sido incluída após as denúncias de espionagem do governo brasileiro, por parte dos Estados Unidos, revelados pelo ex-consultor que prestava serviços à Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês) norte-americana, Edward Snowden. Como forma de punição para a violação das comunicações, ficou assegurado no texto que deverá ser “obrigatoriamente respeitada a legislação brasileira”.

“Felizmente, o governo recuou e o relator acatou a sugestão da oposição e retirou do texto a obrigatoriedade de data centers no território brasileiro”, disse o líder do DEM, Mendonça Filho (PE).

Outro ponto do projeto é o que isenta os provedores de conexão à internet de serem responsabilizados civilmente por danos decorrentes de conteúdos gerados por terceiros. Isso só ocorrerá se, após ordem judicial específica, o provedor não tomar as providências para retirar o conteúdo da rede.

Nesses casos, o projeto determina que a retirada de material com cenas de sexo ou nudez deve ocorrer a partir de apresentação pela pessoa vítima da violação de intimidade e não pelo ofendido, o que poderia dar interpretação de que qualquer pessoa ofendida poderia pedir a retirada do material. Agora, a retirada deverá ser feita a partir de ordem judicial.

Além disso, o relator também incluiu um artigo para prever que os pais possam escolher e usar programas de controle na internet para evitar o acesso de crianças e adolescentes a conteúdo inadequado para a idade. “O usuário terá a opção de livre escolha da utilização de controle parental em seu terminal e caberá ao Poder Público em conjunto com os provedores de conexão a definição de aplicativos para realizar este controle e a definição de boas práticas de inclusão digital de crianças e adolescentes”, discursou Molon.

Após diversas negociações, o governo conseguiu com que os partidos contrários ao marco civil mudassem de ideia. O PPS foi o único partido que votou contra o projeto. O PMDB, que era contra a proposta, mudou de opinião e defendeu a aprovação. “Continuo com uma parte do receio de que a internet chegou onde chegou por falta de regulação”, disse o líder do partido na Casa, Eduardo Cunha (RJ), que justificou a mudança de postura como fruto de negociações do governo e da alteração de pontos considerados polêmicos no texto.  “O PMDB vai se posicionar favoravelmente ao projeto”, completou.


A aprovação do Marco Civil da Internet foi vista como uma vitória pelo líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP). “Eu acho que é uma vitória porque nós vivemos momentos variados, o mínimo que eu posso dizer sobre esta matéria é que houve tensões. A paciência e determinação em buscar através de um diálogo, independentemente de quem quer que seja, isso é uma grande vitória”, disse Chinaglia.

terça-feira, 25 de março de 2014

Coluna semanal de Dorjival Silva: "Ministério Público na causa do Frigorífico"

Ministério Público na causa do Frigorífico

O Ministério Público Estadual de Mato Grosso entrou na causa que envolve a não-conclusão das obras do frigorífico do município de Brasnorte. O promotor de Justiça da comarca, Daniel Mattioni, me disse na segunda-feira (17), que por esses próximos dias os representantes da empresa deverão estar em Brasnorte para firmar um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, sobre o assunto. No dia da assinatura do Termo, donos do frigorífico se comprometerão com o MPE, Prefeitura e Câmara de Vereadores, dentro de prazo acordado, a finalizar as obras e colocarem a empresa em funcionamento. Esse TAC já deveria ter sido assinado, porém, devido a divergências apontadas pelo MP em relação ao pleiteado pelos representantes do frigorífico, houve-se por bem dar-se mais uns dias ao assunto até que se adéque à vontade das partes. A população brasnortense agradece. 

Vias públicas detonadas
As vias públicas ainda não-pavimentadas de Brasnorte ficaram em situação deplorável depois das chuvas que receberam nos últimos meses. Até mesmo algumas artérias pavimentadas da área central ficaram comprometidas. Há muito serviço a ser feito a partir de agora com a chegada da estiagem.

Prejuízos na zona rural
Na zona rural do município a situação é ainda mais séria. Estradas vicinais foram parcialmente detonadas. Cabeceiras de pontes foram levadas pelas águas. Algumas pontes vieram abaixo. A situação se complicou a tal ponto que em algumas localidades o trânsito foi interrompido provisoriamente. Passado o período chuvoso, espera-se agora que o Município resolva também o problema das vicinais.

Obra enterrada. Até quando?
O promotor de justiça titular da comarca de Brasnorte, Daniel Mattioni, já obteve conhecimento parcial de um investimento milionário feito para canalizar água do Rio Cascavel para abastecer a cidade. A obra, apesar de ter consumido alguns milhões de reais, se encontra paralisada há anos. Estou pedindo ao Ministério Público Estadual para investigar esse assunto, vez que há verba pública no projeto.

Obras públicas atrasadas
Queria que o Ministério Público de Mato de Mato Grosso buscasse também reposta do governo estadual ou a quem de direito, quanto à morosidade na conclusão das obras da chamada Escola Atrativa/Modelo, localizada na área central da cidade, e de uma Escola de Educação Infantil localizada no bairro Renascer. Essas duas obras de grande importância para o município estão beirando três anos de atraso.

Cadê o Proncon?
Também tenho andado preocupado com a demora na instalação de uma unidade do PROCON no município de Brasnorte. Desde ano passado venho me referindo ao assunto na esperança que Prefeitura e Câmara de Vereadores se mobilizem em favor dos consumidores locais e lutem pela implantação dessa importante ferramenta cidadã. O consumidor, pelo fato de morar numa cidade interiorana, não quer dizer que deva ficar desprotegido.

Brasnorte no prejuízo
Gostaria muito de colaborar com o município de Brasnorte encampando campanhas midiáticas para atraírem moradores das áreas rurais próximas a Campo Novo do Parecis e Juína a consumir no comércio local. Preocupa-nos muito mais ainda o fato de muitos cidadãos de nossa cidade optarem por realizar suas compras mensais noutros municípios. Sei como trabalhar uma campanha para, aos poucos, reverter parte desse problema que tanto tem prejudicado o comércio local.

Município sem marketing
Como todos os municípios brasileiros, Brasnorte também tem problemas para serem sanados. Mas isso não impede que o município adote, mesmo de forma modesta, boas campanhas de marketing para divulgar inicialmente em nível de estado, suas muitas potencialidades. Se quisermos que nosso município cresça e se desenvolva economicamente precisamos vender, e vender bem, nossa imagem. Por que esse importante trabalho ainda não está sendo desenvolvido pelo governo municipal?

Município sem marketing II
Essa é uma das razões porque Juína, Campo Novo do Parecis, Tangará da Serra, etc, estão sempre atraindo os consumidores, por exemplo, de nossa cidade: esses municípios se divulgam. Precisamos vender, e vender bem, nossa imagem para nós mesmo, para a região e para o Estado. Tenho absoluta convicção que temos coisas muito mais robustas e acessíveis para Mato Grosso que os municípios citados acima. A questão está no fato de não termos ainda aberto um bom canal de comunicação com a região, Mato Grosso e o Brasil. O que Brasnorte está esperando para assim agir?


segunda-feira, 24 de março de 2014

Deputado na cadeia

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), expediu hoje (24) o mandado de prisão do deputado federal Asdrúbal Bentes (PMDB-PA).
O documento será encaminhado à Polícia Federal. Toffoli também enviou ofício ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), para informar sobre a condenação definitiva do parlamentar. Após receber o documento, a Câmara deverá abrir o processo de cassação do deputado.
Na sessão de quinta-feira (21), após rejeitar o último recurso do parlamentar, o plenário do Supremo decidiu determinar o fim da ação penal a que o deputado responde e a execução da pena de três anos e um mês de prisão, em regime aberto, pelo crime de esterilização cirúrgica irregular.
Segundo o Ministério Público, Bentes usou a Fundação PMDB Mulher para recrutar eleitoras em troca de cirurgias de laqueadura tubária (ligação das trompas). Os fatos correram em 2004, quando o parlamentar era candidato a prefeito do município paraense de Marabá. Segundo a denúncia, as mulheres eram encaminhadas a um hospital, onde eram submetidas a cirurgias, justificadas com documentos falsos.
De acordo com a Lei de Execução Penal, condenados ao regime aberto devem cumprir a pena em uma casa do albergado. No entanto, como não há este tipo de estabelecimento no sistema penal do Distrito Federal, se optar por cumprir a pena em Brasília, Bentes cumprirá prisão domiciliar, com restrições. O juiz poderá determinar horários para o condenado chegar em casa e proibí-lo de frequentar determinados locais.
* Fonte: Agência Brasil

domingo, 23 de março de 2014

Dilma precisa responder

Por Josias de Souza
A nota que Dilma Rousseff divulgou sobre a decisão que levou a Petrobras a enterrar US$ 1,2 bilhão na obsoleta refinaria de Pasadena, no Texas, converteu a presidente numa personagem sem nexo. Ela comandava o Conselho de Administração da estatal petroleira na época do fechamento do negócio, em 2006. Participou da reunião em que o martelo foi batido. Avalizou a transação.
Agora, Dilma sustenta que só concordou com o negócio porque se baseou num “resumo executivo” preparado pelo então diretor Internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. Segundo ela, o documento se revelaria posteriormente “técnica e juridicamente falho”. Omitia cláusulas que, “se conhecidas, seguramente não seriam aprovadas pelo Conselho” da Petrobras. Beleza. Mas Dilma obrigou-se a responder a pelo menos três interrogações.
1. Por que não ‘espancou’ a proposta? Em janeiro de 2012, ao ser empossado no Ministério da Educação, Aloizio Mercadante ensinou a Marco Antonio Raupp, o cientista que o substituiu na pasta da Ciência e Tecnologia, como deveria proceder ao apresentar uma nova ideia para Dilma. “Toda vez que você levar um projeto, ele vai ser desconstituído”, disse Mercadante, arrancando risos da plateia.
A presidente submeterá o projeto a “um espancamento, para verificar se fica de pé”. Quando isso ocorrer, lecionou Mercadante a Raupp, “volte pra casa, junte a equipe, trabalhe intensamente e volte a apresentar o projeto. É exatamente assim. Os ministros sabem que estou dizendo a mais absoluta verdade. E isso é atitude de quem tem compromisso com o gasto público.”
Recém-promovido à chefia Casa Civil da Presidência, Mercadante ajudou a redigir a nota na qual essa Dilma implacável se autoconverteu numa gestora precária e descuidada. Mercadante deveria ter perguntado:
“Presidenta, por que diabos a senhora não submeteu a um espancamento a proposta de aplicar R$ 360 milhões, em 3 de fevereiro de 2006, na compra de 50% de uma refinaria que, um ano antes, velha e desativada, havia sido 100% adquirida pela belga Astra Oil por US$ 42,5 milhões?”
Se Dilma tivesse dado uma surra no “resumo executivo” do doutor Nestor Cerveró, o autor da peça decerto voltaria pra casa, juntaria sua equipe, trabalharia intensamente e concluiria que a valorização de 1.500% propiciada à Astra Oil não era apenas um mau negócio. Era um escândalo. Construído com o aval de Dilma —ou de uma sósia dela. Mercadante tem de exigir um exame de DNA.
2. Por que manteve José Sérgio Gabrielli? Dilma sustenta em sua nota que só se deu conta de que o negócio cheirava mal em 3 de março de 2008. Tomou um susto ao ser informada de que a Petrobras teria de se tornar proprietária única da Pasadena Refining, comprando os 50% que tinham restado nas mãos da sócia Astra Oil.
Foi só nesse dia, alega Dilma em sua nota, que o Conselho da Petrobras, sob sua presidência, tomou conhecimento daquelas cláusulas contratuais que o doutor Nestor Cerveró omitira em seu “resumo executivo”. Os conselheiros, Dilma entre eles, se recusaram a pagar o valor exigido pela Astra Oil. Coisa de US$ 700 milhões. Após uma batalha judicial, a Petrobras teve de desembolsar muito mais: US$ 839 milhões.
O segundo desembolso aconteceu em 13 de junho de 2012. A essa altura, Dilma já não presidia o Conselho da Petrobras, mas a República. Ela sabia desde 2008 que o leite de Pasadena tinha derramado. Como chefe da Casa Civil, não lhe cabia ficar lamentando a situação e sim ajudar o Lula a enxergar que a presidência de José Sérgio Gabrielli não fazia bem à Petrobras.
Algum áulico pode dizer que Dilma avisou. Mas Lula não quis escutar. Bobagem. Depois que sentou na cadeira de presidente, em janeiro de 2011, Dilma poderia ter mandado Gabrielli ao olho da rua quando bem entendesse. Mas ela o manteve no comando da estatal por mais de um ano. Livrou-se dele apenas em 13 de fevereiro de 2012.
Repetindo: Graça Foster, a atual presidente da Petrobras, sentou-se na cadeira que era de Gabrielli um ano, um mês e 13 dias depois da chegada de Dilma à cadeira de presidente da República. Gabrielli saiu da estatal sob elogios públicos. E virou secretário de Planejamento do governo petista de Jaques Wagner, na Bahia.
3. Por que o diretor do parecer “falho” continua na Petrobras? Ao escrever em sua nota que não sabia das cláusulas contratuais tóxicas que converteram a maior estatal brasileira em feliz proprietária de um mico americano, Dilma declara, com outras palavras: “Sim, eu presidia o Conselho da Petrobras, mas não posso ser responsabilizada pelo derramamento de leite. Em verdade, sou vítima.”
Um petista da linha Rui Falcão esticaria o dedo e ecoaria a nota de Dilma: foi o Nestor Cerveró, esse escritor de pareceres ‘falhos’, quem derramou o leite que a oposição e a imprensa golpista tentam fazer respingar na biografia da presidente. Surge, então, a terceira interrogação.
Sob Lula, Nestor Cerveró, um executivo que ninguém apadrinhou —nem o PT de Delcídio Amaral nem o PMDB de Renan Calheiros— deixou a diretoria Internacional da Petrobras em 2008, dois anos depois de ter aconselhado a compra de Pasadena. Mas não ficou sem contracheque. Virou diretor financeiro da poderosa BR Distribuidora, subsdidiária da mesma estatal. Sentada na cadeira de presidente da República desde janeiro de 2011 —já lá se vão três anos, dois meses e 21 dias— Dilma não se animou despachar Cerveró para bem longe do cofre. Por quê?
Enquanto a ex-Dilma não voltar a fazer sentido, convém à plateia perguntar aos seus botões: vocês confiariam uma bandeja com um copo de leite, mesmo que metafórico, a uma pessoa que trata todo mundo a pontapés e passa pomada em quem produz um escândalo de US$ 1,2 bilhão? Seus botões talvez não respondam. Mas qualquer garçom de boteco dirá: nã, nã, não. De jeito nenhum!

Tem coisa muito estranha nessa história da refinaria de Pasadena


Há um estranho calendário político envolvendo o engenheiro Nestor Cerveró. Em 2006, ele trabalhava na Diretoria Internacional da Petrobras e foi responsável pelas negociações que resultaram na compra de 50% da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Dois anos depois, em 2008, assumiu a Diretoria Financeira da BR Distribuidora. Continuou lá em 2009, 2010, 2011, 2012, 2013 e até março de 2014. Praticamente seis anos. Apontado como responsável pelo escândalo bilionário envolvendo o negócio com a empresa norte-americana pela própria presidente Dilma Rousseff, Cerveró ficou no cargo na quarta-feira, na quinta-feira e foi demitido na sexta-feira. Três dias.

Nesses anos todos, incluindo uma disputa judicial perdida pela Petrobras, o valor da compra, que era de US$ 360 milhões subiu para US$ 1,12 bilhão. Tudo isso sem que qualquer controle contábil fosse detectado, sem que uma auditoria tenha sido feita. Afinal, foi negócio aprovado pelo Conselho de Administração da Petrobras, na época presidido pela então ministra-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Dilma Rousseff, tida e havida como a competente gerente do governo Lula. A alegação é que o negócio foi aprovado com base em um relatório incompleto, embora executivos da empresa digam que o completo estava disponível.

O certo é que, além do desastre empresarial com a refinaria de Pasadena, há mais coisas entre o céu e as águas profundas do pré-sal e as contratações para a construção de plataformas.

Não é à toa que a base governista no Congresso teme tanto a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os negócios da maior empresa brasileira. A transparência com o dinheiro público, pelo jeito, vai ficar escondida debaixo da escuridão do petróleo para não aparecer.

Ainda mais em ano eleitoral. Já imaginou uma CPI com tanto combustível estocado para se torna "labaredas"?

sábado, 22 de março de 2014

Olha quem fala!

Foto-arte via Facebook
Eu nunca me enganei de que a presidente Dilma , é uma mulher fraca e sem qualquer tipo de liderança, mostrando que o Brasil rema contra a maré. Na sua curta passagem pelo Tocantins, precisamente na cidade de Araguaína, foi vaiada pela população, durante a cerimônia do Minha Casa minha Vida. O seu despreparo para enfrentar as massas, empinando o nariz com a sua costumeira arrogância e prepotência, agredindo pessoas humildes que naquele momento buscavam dias melhores, é uma mostra clara ,que Dilma ,nunca esteve preparada para ser presidente de uma grande Nação, o Brasil. Poderia ter sorrido ou acenado, assim que a população começou a vaiar. Um tom de carinho é mais interessante e certamente as coisas seriam melhores e diferentes. Ao dizer que as pessoas que vaiaram " nasceram em berço esplêndido e nunca ralaram" uma atitude grosseira e estúpida.

Foi uma grande piada, pois Dilma, sempre viveu as custas de sindicatos e nunca trabalhou na vida. Sempre se aproveitou de ocasiões durante o período em que era guerrilheira. Usou até o nome de uma artista pornô, a Vanda Moreno, para viver na clandestinidade. A verdade é que ela nunca precisou arregaçar as mangas ,a exemplo do seu tutor, o Lula, vem com esses insultos agredindo a hospitaleira população de Araguaína. Ela sim ,viveu e vive em berço esplêndido e nunca ralou na vida para sobreviver. Dilma, se manca, pois mais vaias virão por ai.
*Por Luiz Solano

sexta-feira, 21 de março de 2014

O vírus da mudança

Por Josias de Souza
Saiu mais uma pesquisa do Ibope. Quando um assessor de Dilma Rousseff for analisar os dados com ela, convém suavizar a abordagem. Se não souber como começar, pode indicar com o queixo o percentual de eleitores que desejam mudança (64%) e perguntar: Fora isso, senhora presidenta, o que a senhora achou?
Sobrevivendo à explosão, o assessor pode argumentar que, se fosse possível suprimir os detalhes, a nova pesquisa seria extraordinária para a chefe. Apesar de tudo —os juros em alta, a inflação no teto, o mau humor de São Pedro e a derrota do Flamengo para o Bolívar…—, Dilma (43%) ainda está bem à frente de Aécio Neves (15%) e Eduardo Campos (7%). Hoje, ela prevaleceria no primeiro turno.
Mas o diabo, como se diz, está nos detalhes. Apenas 32% dos pesquisados desejam a continuidade “total” ou “de muita coisa” no próximo governo. A grossa maioria, 64%, torce para que o inquilino do Planalto mude “totalmente” ou “muita coisa” na gestão a ser inaugurada em 2015.
Os pesquisadores perguntaram: “quem tem mais condições de promover as mudanças de que o país ainda necessita?” No pedaço do eleitorado que expressa abertamente o desejo de mudar, a maioria (63%) quer outra pessoa no Planalto. Apenas 27% querem Dilma.
Numa amostragem que inclui a totalidade dos eleitores, 41% acham que a própria Dilma deve operar as mudanças. Preferem Aécio 14%. E Campos, 6%. É preciso levar em conta, porém, que apenas Dilma é 100% conhecida dos brasileiros. Seus antagonistas, ainda relativamente desconhecidos fora de suas províncias, terão sete meses para fazer pose de bons moços.
Quer dizer: a pesquisa mostra um cenário de estabilidade instável. O brasileiro está, por assim dizer, meio de saco cheio. Mas fora isso… O ministério já foi reformado, o aumento da conta de luz ficou para 2015 e os banqueiros estão felizes com a política monetária. Se o deputado Eduardo Cunha e o PMDB ficarem mais calmos, talvez seja possível tentar de novo.

O pesadelo da Pasadena

Por Josias de Souza
Ag.Senado
Presidente da Petrobras na época da compra da refinaria de Pasadena, no Texas, José Sergio Gabrielli foi chamado a dar explicações no Senado há sete meses, quando o negócio já havia se consolidado como um escândalo. Foi inquirido na Comissão de Fiscalização e Controle. Defendeu a operação sem titubeios (veja um trecho aqui).
“Não há por que levantar nenhuma suspeita sobre isso”, declarou, quando indagado sobre o prejuízo de mais de US$ 1 bilhão espetado no caixa da Petrobras. Espremido pela bancada da oposição, Gabrielli não fez nenhuma menção à precariedade do parecer —“técnica e juridicamente falho”— que Dilma Rousseff invoca agora para dizer que, se o contrato de compra da refinaria estivesse corretamente esmiuçado, as negociações “seguramente não seriam aprovadas pelo conselho” da Petrobras.
Na versão de Gabrielli, bem distante da de Dilma, o caso é de soltar fogos, não de apresentar desculpas: “É uma refinaria bem localizada, na costa do Texas, na beira do golfo do México, integrada a todos os oleodutos que alimentam o mercado do leste americano e tem espaço para crescer”, disse aos senadores. “Sofre efeitos das flutuações de margem que afetam o negócio de refino, mas é um ativo que permanece nas mãos da Petrobras, com grande oportunidade de retorno.”
Se a coisa é tão fantástica, por que diabos os órgãos de controle decidiram investigar?, perguntou-se, em 8 de agosto de 2013, a Gabrielli, já deslocado para o cargo que ocupa até hoje, o de secretário de Planejamento do governo da Bahia. E ele: “As investigações que estão anunciadas pelo TCU e Ministério Público tenho certeza de que chegarão à conclusão de que nao houve nenhuma anomalia no comportamento da Petrobras.”
Esse cenário edulcorado construído por Gabrielli compunha o enredo oficial da Petrobras. Graça Foster, a sucessora de Gabrielli no comando da Petrobras, tinha levado a encrenca de Pasadena ao freezer. De repente, a nota elaborada por Dilma virou a página do caso. Para trás. “Ninguém entendeu muito bem aonde ela quer chegar com esse sincericídio”, disse ao blog, na noite passada, um executivo da Petrobras.  Duas coisas Dilma já conseguiu. Conforme anotado aqui, ela ficou com uma cara de ‘ex-Dilma’.
Editoria de Arte/Folha

quinta-feira, 20 de março de 2014

Aécio volta à carga!

"A presidente da República deve explicações claras ao país sobre uma operação extremamente danosa para a Petrobras e para os brasileiros e sobre a qual ela teve papel decisivo. A compra da refinaria de Pasadena causou prejuízo de bilhões e desde sempre esteve encoberta sobre um nuvem de suspeições. A presidente não tem o direito de justificar-se apenas dizendo ter sido mal assessorada. O Brasil aguarda explicações do governo e da Petrobras sobre quais são os critérios utilizados para tomada de decisões de tamanha importância." - Senador Aécio Neves


COMENTÁRIO: Senador Aécio Neves... na tribuna do Senado, expondo as irresponsabilidades do governo petista, a respeito da mais ruinosa transação envolvendo a Petrobras, levando ao prejuízo de mais de UM BILHÃO DE DÓLARES à estatal. ( Ceci Leme Cardoso, no Facebook)

"Vergonhoso...Somos uma raça de imbecis e de patifes?"


"Somos o único caso de democracia no mundo em que condenados por corrupção legislam contra os juízes que os condenaram. Somos o único caso de democracia no mundo em que as decisões do Supremo podem ser mudadas por condenados. Somos o único caso de democracia no mundo em que deputados, após condenados, assumem cargos e afrontam o judiciário. Somos o único caso de democracia no mundo em que é possível que condenados façam seus habeas corpus ou legislem para mudar a lei e sejam libertos." - Ministro Joaquim Barbosa - STF.

quarta-feira, 19 de março de 2014

Para não perder tudo, governo cede no projeto do Marco Civil da internet.Mas pode ceder mais...

Após reunião entre líderes da base aliada e os ministros Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e José Eduardo Cardozo (Justiça), o relator do Marco Civil da Internet, deputado Alessandro Molon (PT-RJ), disse que o governo abriu mão da instalação de data centers no Brasil com o objetivo de tentar votar o projeto nesta quarta-feira (19) – embora o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) já tivesse anunciado a votação para a próxima semana.
O relatório de Molon previa que as empresas provedoras de internet fossem obrigadas a instalar seus bancos de dados, os data centers, no Brasil, mesmo que suas sedes sejam em outros países. O objetivo era garantir que a lei brasileira fosse aplicada, caso houvesse alguma demanda judicial. Esse trecho foi incluído no Marco Civil da Internet após as denúncias de espionagem do governo dos Estados Unidos, que teria monitorado a comunicação entre integrantes do governo brasileiro.(Texto G1)
COMENTO: Pelo andar da carruagem o Governo tente a perder mais, ceder mais, abrir mão de certo totalitarismo e de sua hegeomonia comunista na Internet. O Governo quer impor o sistema comunista na Internet, e tolher a liberdade do cidadão, mas o povo está atento, muitos políticos no Congresso também. Eles não vence

terça-feira, 18 de março de 2014

O ‘encino’ de Brasília

Por Josias de Souza

A confecção dos uniformes de uma escola pública do Distrito Federal virou caso de polícia. Aconteceu em Brazilândia, cidade-satélite de Brasília. Nas camisetas entregues a alguns alunos, a palavra ensino foi grafada com ‘c’. A irmã de um dos estudantes levou à internet uma foto com a evidência de que algo de muito esquisito sucede sob o governo petista de Agnelo Queiroz.
Por ora, detectaram-se pelo menos 27 camisetas ornadas com o ‘encino‘. Em nota, a Secretaria de Educação do Distrito Federal levantou a hipótese de sabotagem. As camisetas escolares são produzidas numa ‘Fábrica Social’ mantida pelo GDF. Destinaram-se à escola de Brazlândia “mais de 2.800 camisetas”. Sustenta-se que foram confeccionadas num molde único. Sem o erro.
As camisetas micadas trazem etiquetas com a logomarca da ‘Fábrica Social’. Mas a secretaria do GDF diz que “há indícios de adulteração.” A polícia civil foi acionada para investigar o caso. Deve-se torcer para que as investigações confirmem a sabotagem. O país talvez não suporte a revelação de que, em plena Capital da República, o ensino público conduz à çabedoria.