sexta-feira, 14 de março de 2014

Crise sem fim

Por Josias de Souza
Em resposta ao presidente do PT, que voltou a acusar os aliados de fazerem um “jogo de toma-lá-dá-cá”, com “pressões e chantagens” que Dilma Rousseff não aceita, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), declarou: “O Parlamento não quer nenhum toma-lá-dá-cá. O que todo mundo deseja é uma relação mais equilibrada na distribuição do poder na coalização.”
Henrique Alves disse ao blog, na noite passada, que o PT tornou-se um fator de desequilíbrio no bloco governista. “Como é que o PT, com 17 ministérios, pode querer uma relação equilibrada se o PMDB, partido maior em termos nacionais, principal parceiro do governo, tem cinco pastas? Não se trata de toma-lá-dá-cá. A questão é que há uma relação desequilibrada de poder. E o PT, na pessoa do seu presidente, não está se dando conta disso.”
Após frequentar o noticiário político-carnavalesco como pivô de uma troca de desaforos do petismo com Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara, Rui Falcão voltou à carga na noite de quarta-feira (12). De passagem por Rio Branco, no Acre, ele defendeu a realização de uma reforma política que livre o inquilino do Planalto da “chantagem” congressual. Disse o seguinte:
“Não é possível convivermos mais com o princípio do poder econômico para mandar no Congresso Nacional. Nós elegemos três vezes o presidente da República e não fizemos 20% da bancada. Se houvesse um alinhamento entre a campanha presidencial e os partidos que dão suporte à presidente, nós teríamos a eleição da presidente com a maioria assegurada no Congresso, sem precisar desse jogo que nos impõem, e nós não aceitamos, que é o toma lá dá cá. É porque a presidente Dilma tem resistido, não cede e não vai ceder a pressões e chantagens que tentam fazer com ela.”
Para Henrique Alves, a reiteração das críticas do dirigente do PT não ajuda a pacificar as relações partidárias. “É hora de a gente refazer as pontes, é hora de zerar o jogo”, disse. “Daqui a quatro meses, eu espero que estejamos todos juntos, nas convenções partidárias, apoiando a Dilma e o Michel Temer, para pedir ao Brasil que reeleja o nosso governo. Não é hora de ficar fazendo uma conta corrente de erros e acertos. O melhor é olhar para a frente.”
O presidente da Câmara acrescentou: “Num futuro governo, que esperamos conquistar junto com a presidenta Dilma, haveremos de repensar esse modelo. É preciso que o espaço seja mais democraticamente distribuído. E não falo só do PMDB. Todos os partidos da base de apoio precisam ser respeitados. Um partido, sozinho, ter 17 ministérios não parece razoável.”
“O desequilíbrio não se manifesta apenas na quantidade, mas na qualidade dos ministérios do PT”, arrematou o presidente da Câmara. “O PT controla os principais ministérios: Saúde, Educação, toda a área social, Fazenda, Planejamento… E os aliados ficam com ministérios periféricos. É essa distribuição desigual que gera reclamação. Isso não tem nada a ver com toma-lá-dá-cá. Tem a ver com o compartilhamento de espaços de poder, algo absolutamente legítimo numa democracia e num governo de coalizão.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário