segunda-feira, 23 de junho de 2014

Interpretação das vaias à Dilma na abertura da Copa 2014



A "elite" meus senhores, essa elite desprezível e sórdida a que vocês tanto se referem estava sim presente na festa de abertura da Copa. Estava ali bem acomodada na Tribuna de Honra representando os amigos do rei ou em setores especiais cercados de mordomias e coalhados de políticos sem vergonha, os baba ovos desse governo imundo.


Os pagantes do Itaquerão eram torcedores, gente que gosta de futebol e acalentava o sonho de ver a Seleção jogar numa Copa do Mundo.

Gente que não sem esforço juntou dinheiro pra comprar ingresso, dinheiro fruto do trabalho e não de roubo, e portando bandeiras enfrentou filas e desorganização com o único propósito de realizar um sonho.


Essa multidão não foi constituída por alienados ou bolsistas, nem pelos que mamam nas tetas do governo, os oportunistas, os corruptos. Estava lá a classe média trabalhadora e pagadora dos seus impostos, CIDADÃOS com suas famílias e amigos. Foram ver a Seleção e aguardaram muitos meses, talvez anos pelo espetáculo grandioso da abertura da tão propalada Copa das Copas. E o que se lhes apresentou foi um espetáculo chinfrim ao custo de milhões e pela primeira vez na historia das copas não houve discursos, a presidenta, autoridade máxima do país nem sequer lhes dirigiu um aceno.

O coro... "ei, Dilma, vai tomar no c." não foi previamente combinado, surgiu espontaneamente no meio da multidão e o brado ecoou e foi repetido por todos os cidadãos indignados que não aguentam mais as bandalheiras desse governo incompetente, corrupto e acima de tudo arrogante e prepotente. Estamos cansados de pagar as contas e ser feitos de idiotas.

E agora vêm vcs querendo dar lição de moral? Acharam feio? Feio é o que nos obrigam a vivenciar todos os dias. Vergonha é ser afrontado, espoliado, vilipendiado, roubado e nunca poder reclamar, seguir mansamente a boiada pois assim exigem os bons costumes.

Esses brasileiros que fizeram coro no Estádio me representam, pessoas ordeiras e dignas que soltam a voz com emoção e respeito ao Hino Nacional mas também corajosamente mandam seu recado ao governo usando a única linguagem que esses cafajestes entendem: a linguagem do submundo onde se aboleta às nossas custas a escória do país. Texto de Maria do Rosário Pacheco

Nenhum comentário:

Postar um comentário